Senado pode votar hoje aumento para ministros do Supremo

O Senado pode votar nesta quarta-feira, dia 7, dois projetos de lei que garantem aumento para ministros do Supremo Tribunal Federal ( STF ) e para o Procurador-Geral da República, o que pode provocar um efeito-cascata no contracheque do funcionalismo público. Caso os textos sejam aprovados, as duas remunerações subirão de R$ 33.700 para R$ 39.200. O aumento no salário dos ministros e da procuradora-geral têm repercussão na categoria e provoca reajustes entre magistrados e também no Ministério Público Federal (MPF). Como o vencimento dos ministros do STF serve como teto para o funcionalismo federal, o aumento também afeta o Poder Executivo.

As duas propostas são de 2015 e estavam na gaveta da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) desde 2016. Ontem, os senadores aprovaram um requerimento de urgência para apreciá-las em plenário. Os textos já foram aprovados na Câmara e, depois de aprovados na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, ficaram paradas na CAE, diz o Extra.

O relator das duas matérias no colegiado, senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES), deu parecer contrário a elas. Sem votação na CAE, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), pautou a urgência para o plenário ontem.

Em seu relatório na CAE, Ferraço destacou que o reajuste no subsídio dos ministros do Supremo “resultará em um impacto bilionário nas contas públicas da União, dos Estados e dos Municípios”. “A partir da sua aprovação, abre-se a porta para que sejam reajustados todos os demais salários no setor público, inclusive os salários de deputados e senadores, o que sabemos, historicamente acontece em um segundo momento”, ressaltou o senador.

07/11/2018